top of page

Conhecendo os 3 Níveis do Planejamento Estratégico

As organizações de sucesso têm um ponto em comum: o bom planejamento estratégico. Afinal, para conquistar resultados e alcançar as metas desejadas, é preciso definir estratégias coerentes, alinhar objetivos e estruturar planos de ação viáveis para o negócio.



Neste artigo, você vai conhecer os três níveis do planejamento: estratégico, tático e operacional.


Vamos definir o propósito de cada um, explicar sua importância e mostrar como grandes empresas se beneficiaram com sua aplicação adequada, além de abordar os erros mais comuns associados às práticas.


Também, vamos entender como as tecnologias e inovações impactam a abordagem do planejamento estratégico nas empresas.


Definição de Planejamento Estratégico


Antes de darmos prosseguimento, precisa-se entender o que é Planejamento Estratégico. Para entender a definição, é importante entender também a composição das suas partes:

Planejamento é o processo de definir metas, desenvolver estratégias e delinear tarefas e cronogramas para alcançar essas metas. Ele transforma visões em ações concretas, assegurando que recursos sejam alocados de forma eficiente para atingir objetivos específicos.
Estratégia envolve estabelecer um direcionamento de longo prazo para a empresa, escolhendo as abordagens mais eficazes para superar desafios e aproveitar oportunidades. Trata-se de como a empresa posiciona-se no mercado e como ela responde às mudanças no ambiente competitivo.

Planejamento Estratégico é o processo de definição de direcionamento de médio e longo prazo. Imagine-o como um roteiro detalhado que orienta a empresa em direção ao seu futuro desejado. Ele é composto de estratégias, táticas e planos de ação que visam alcançar os objetivos, considerando tanto fatores internos quanto externos


A palavra “estratégia” tem suas raízes no termo grego “strategos”, que se refere à arte de liderar tropas ou, mais genericamente, ao comando militar. O termo é composto por “stratos” (exército) e “agein” (liderar, guiar), refletindo originalmente a habilidade e o planejamento envolvidos em operações militares e na liderança de exércitos. 


Com o tempo, o conceito de estratégia evoluiu para incluir técnicas e métodos de planejamento usados em vários contextos, incluindo negócios, esportes e outros campos, sempre com foco em definir a melhor maneira de alcançar objetivos específicos e superar desafios.


Os três níveis de planejamento


Esses são os três níveis do planejamento que atuam de forma interdependente e trabalham em sintonia para garantir o sucesso da organização a curto, médio e longo prazo: Estratégico, tático e operacional.


1. Planejamento Estratégico


De forma sucinta, podemos pensar que o nível estratégico é responsável pelo direcionamento geral da empresa.


Quando todos os níveis estão alinhados, a empresa tem mais chances de alcançar resultados consistentes e uma rotina de trabalho leve. Para simplificar a compreensão dos conceitos, que tal conhecer os detalhes e as aplicações de cada um?


O planejamento estratégico pode ser considerado o nível mais alto entre os três, pois envolve definições que impactam a empresa na sua totalidade. Seu principal objetivo é responder às perguntas: “onde estamos?” e “para onde queremos ir?”.


Por isso, ele se relaciona com as diretrizes gerais da organização, como visão, missão e metas de longo prazo, bem como as estratégias-chave para chegar lá. Também, é no nível estratégico que consideramos os fatores externos e internos, como análise do mercado, concorrência, recursos disponíveis e competências da organização.


Esse tipo de planejamento prevê qual será a direção que a empresa irá seguir por um bom tempo, além de orientar todas as decisões da liderança e de seus representantes durante o período.


Um exemplo para você entender melhor: uma empresa de tecnologia identifica oportunidades de crescimento no mercado internacional. Então, ela estabelece como visão “tornar-se uma das principais marcas de dispositivos eletrônicos do mundo”. Assim, define objetivos de longo prazo, como aumentar a participação do mercado e expandir as operações para cinco novos países.


2. Planejamento Tático


O planejamento tático se relaciona à implementação de tudo o que foi definido no nível estratégico. Ou seja, é aqui que as metas se transformam em ações concretas e executáveis. Sendo assim, o principal propósito do nível tático é responder à pergunta: “como vamos alcançar nossos objetivos estratégicos?”.

O nível tático traduz essa direção em ações específicas.

Para isso, estabelecemos planos de ação a médio prazo, identificando as atividades necessárias e designando responsabilidades para cada departamento ou equipe da empresa. É o nível tático que vai coordenar as diferentes áreas para que, juntas, alcancem os direcionamentos gerais da empresa.


Exemplo: com o planejamento estratégico definido, o marketing da empresa de tecnologia desenvolve um plano tático para alcançar a expansão internacional. Eles identificam os países de destino com base em pesquisas de mercado e desenvolvem estratégias específicas para cada um. Em paralelo, o departamento de produção elabora um plano tático para aumentar a produção em 30%, garantindo que a empresa tenha capacidade para atender a crescente demanda nos novos mercados.


3. Planejamento Operacional


O planejamento operacional trabalha nas atividades diárias da organização e se concentra em responder à pergunta: “como vamos executar nossas metas e planos táticos?”. Assim, ele deve respeitar e refletir as diretrizes já estabelecidas nos níveis anteriores.

O planejamento de nível operacional, tem como papel garantir que as atividades diárias sejam executadas de forma eficiente.

Sua natureza é de curto prazo e fornece instruções práticas sobre como as tarefas devem ser executadas. Isso inclui definições de prazos, alocação de recursos e monitoramento do progresso de cada atividade, a fim de conquistar eficiência e qualidade nas operações.


Além disso, o nível operacional envolve a resolução de problemas do dia a dia. Sendo assim, a gestão deve estar preparada para lidar com imprevistos, tomar decisões rápidas e garantir que as operações continuem em andamento.


Exemplo: com as definições táticas, o planejamento operacional entra em cena para garantir a execução das atividades diárias. As equipes de vendas da empresa de tecnologia começam a atender os clientes internacionais, oferecendo suporte e garantindo sua satisfação nas compras. No departamento de produção, a equipe gerencia a demanda crescente. Eles acompanham o estoque de matérias-primas, monitoram a eficiência da linha de montagem e implementam melhorias contínuas nos processos produtivos.



Importância dos níveis de planejamento


Já vimos que é indispensável alinhar os 3 níveis do planejamento, o estratégico, o tático e o operacional para tomar decisões informadas. Afinal, cada um cumpre seu papel para garantir ações alinhadas às metas organizacionais e fomentar o crescimento da empresa.


A importância do nível estratégico, por exemplo, está em oferecer um destino para a organização e evitar que ela fique sem rumo ou até mesmo estagnada. Dessa forma, é possível focar os esforços da equipe, melhorar o desempenho e qualificar as decisões tomadas, além de se adaptar às mudanças no ambiente de negócios.


Já a relevância do planejamento tático está em implementar, da melhor forma possível, as estratégias pré-estabelecidas. Isso inclui evitar o desperdício de recursos, distribuir bem as responsabilidades e garantir o alinhamento entre os times.


O planejamento operacional, por sua vez, mantém a atenção em todas as atividades diárias da empresa. Logo, sua importância é bem mais prática, como evitar atrasos na produção, custos excessivos nas operações e insatisfação dos clientes.



Erros mais comuns


Independente do nível abordado, existem alguns mitos quando o assunto é planejamento estratégico. Por isso, é essencial conhecer os erros mais comuns e evitá-los, a fim de garantir a eficiência do conceito em sua aplicação. Confira!


  • Planejamento estratégico estático: um dos mitos mais comuns é considerar o planejamento estratégico como evento único e imutável. Pelo contrário, ele é um processo contínuo, que necessita de revisão e adaptações constantes às mudanças no ambiente de negócios. Por isso, o mais indicado é estar sempre pronto para ajustar suas estratégias à medida que surgem novas oportunidades ou ameaças.


  • Planejamento estratégico apenas para a gestão: o planejamento estratégico não é uma responsabilidade exclusiva da liderança. Ele deve envolver a colaboração de diferentes níveis hierárquicos e áreas da empresa. Afinal, todos podem contribuir com ideias valiosas para as estratégias da organização.

  • Falta de alinhamento entre os níveis: um erro muito comum é a falta de alinhamento entre o planejamento tático e o estratégico. Sem essa sintonia, a empresa pode enfrentar a falta de coordenação em suas ações, o desperdício de recursos e a falta de foco.

  • Falta de comunicação e compartilhamento de informações: a comunicação inadequada entre os times pode gerar falhas na implementação do planejamento tático. Assim, é essencial comunicar as metas e os objetivos de forma clara a todos os envolvidos. Além disso, compartilhar informações relevantes é fundamental para garantir uma implementação eficiente e eficaz.


  • Falta de monitoramento e controle: o nível operacional precisa de controle para garantir atividades diárias bem executadas. Até porque, sem um acompanhamento constante é mais difícil identificar desvios, corrigir problemas e garantir a qualidade das operações. Os indicadores-chave podem ser ótimos mecanismos para resolver esse problema.


  • Ausência de flexibilidade e adaptação: outro erro comum é não deixar o planejamento operacional flexível o suficiente para lidar com imprevistos e mudanças. Essa falta de adaptação pode gerar atrasos, problemas de qualidade e perda de oportunidades. Portanto, as empresas devem estar preparadas para ajustar suas operações conforme as demandas e condições do mercado.


Qual tecnologia utilizar para fazer a Gestão do Planejamento Estratégico


Felizmente, a forma como é feito o planejamento dos níveis estratégico, tático e operacional passa por transformações. O motivo está no impacto da tecnologia que, inclusive, é muito positivo para as organizações que buscam o sucesso orgânico e contínuo.


Com o auxílio dos softwares e soluções tecnológicas certas, é possível contar com dados em tempo real e ferramentas de análise avançadas. Assim, a empresa pode aproveitar insights valiosos e precisos sobre o mercado, seus concorrentes e os clientes da organização.


Isso facilita a identificação de oportunidades e a formulação de estratégias mais coerentes com a realidade da empresa. Ainda, a tecnologia pode simplificar a coordenação e o alinhamento entre os diferentes níveis de planejamento.


Da mesma maneira, as equipes podem compartilhar informações com mais facilidade, colaborar remotamente e acompanhar o progresso dos planos em tempo real. A adoção tecnológica traz mais agilidade para as ações da empresa e aumenta a capacidade de adaptação às mudanças do mercado.


Para acompanhamento e gestão estratégica da sua empresa, indicamos a Scoreplan que é uma das principais plataformas de planejamento estratégico e orçamentário do mercado. A seguir citaremos 11 motivos para você implantar a Scoreplan na sua empresa:


1 – Planejamento com base sólida


A Scoreplan traz por padrão as metodologias de BSC e OKR. O Mapa BSC é uma das linhas estratégicas mais antigas e utilizadas no mundo. Já o OKR é uma metodologia mais recente, mas ainda assim ágil, estando dentro de grandes corporações, como o Google, IBM e Airbnb. 


Ao utilizar a Scoreplan, você tem a abertura para criar o seu Mapa Estratégico com a metodologia de BSC, além de definir seus objetivos relacionados a ações, projetos e indicadores. Esse passo garante a execução do que foi planejado e, ainda, definie uma relação de causa e efeito entre as metas a fim de entender os resultados obtidos.


Do mesmo modo, ao utilizar os OKRs no nosso software de gestão você cria os seus objetivos e atrela a eles seus Key Results, que também podem atrelar Iniciativas e até mesmo Indicadores.


2 – Execução do Planejado


Para evitar impacto negativo a sua Empresa, a Scoreplan foi embasada na ideia de que a execução representa, no mínimo, 50% do caminho para o sucesso. Na plataforma,. quando você cria o planejamento, você também cria planos de ação e iniciativas para cada objetivo.


Dessa forma, você define o que precisa ser feito. No caso de optar por usar a metodologia de BSC, você vai além nestas definições. Com o 5W2H, consegue dizer como as coisas precisam ser feitasto, por quem  e quais os prazos.


Também, a Scoreplan incorpora o conceito da RACI nas ações, em que você pode, além de definir o Responsável pela execução, indicar a Autoridade (o chefe, ou, o cara mais interessado na execução daquela ação). Junto, você pode incluir outros personagens como o Consultado e o Informado.


Outro ponto interessante é que a Scoreplan emite alertas sobre o vencimento das ações. Você pode definir quem; entre o Responsável, a Autoridade, o Consultado e o Informado da ação, irá receber esses alertas. Pode definir um, mais de um, todos… você é quem decide!


Sem falar na criação de projetos para cada objetivo. Com o módulo de projetos, você define fases, ações, responsáveis, prazos, orçamentos e consegue fazer o acompanhamento por meio do Gráfico de Gantt.


3 – Medição dos Resultados


Ao traçar um objetivo e definir um plano de ação ou um projeto, como você sabe se os resultados que você está obtendo estão realmente conduzindo a sua empresa para a direção certa? Na Scoreplan, assim como você cria um plano de ação e/ou um projeto, você também desenvolve e atrela indicadores e Key Results aos objetivos. Ponto positivo, já que, como quem define as métricas e metas é você ou o time de gestão da sua empresa, é possível ver o quão a empresa está prosperando com base nesses indicativos. 


Vamos a um exemplo para entender bem: Digamos que um indicador chave da sua organização esteja com resultados ruins. Nessa situação, quando um indicador fica com os resultados abaixo da meta, a Scoreplan demanda, a partir das metodologias de FCA (Fato, Causa e Ação) e 5 porquês, uma análise crítica, com o intuito de descobrir o que motivou a negativa. 


4 – Decisões estratégicas intencionais


Para pensar estrategicamente, é dever de todo o gestor saber o contexto empresarial que o cerca. Mas, nem sempre isso acontece. Então, para evitar erros desnecessários, reúna 5 pessoas estratégicas da sua companhia e pergunte-lhes quais são os 3 principais pontos fortes da empresa.


Provavelmente, a resposta dificilmente será a mesma. Ou seja, pessoas diferentes têm visões diferentes de um mesmo ambiente e situação — o que agrava se incluirmos clientes e outros funcionários de nível tático ou operacional.


No antídoto desse cenário, a Scoreplan oferece ferramentas de análise e diagnóstico. Alguns exemplos são: SWOT, Diagnóstico de negócio, Diagnóstico de inovação, Pestel, Market Share e outras. Por meio do controle de permissões, é possível disponibilizar essas funcionalidades para pessoas específicas, o que facilita o compartilhamento de ideias e opiniões e melhora a assertividade do resultado das análises.


5 – Rastreabilidade e Segurança


Se você não usa um sistema especializado e ainda utiliza planilhas, se faça as seguintes perguntas:


  • “O quanto posso confiar nos dados e informações que armazeno? 

  • “Eu sei quem é o responsável por coletar todas essas informações?”

  • “Como esse responsável pela coleta?”

  • “Eu consigo garantir que não ouve erro de digitação? 


Para todas ou quase todas as perguntas, a resposta provavelmente é: não. Já, ao usar a Scoreplan, você é quem define o acesso e o nível de acesso de cada usuário. Ainda, o sistema gera logs de toda e qualquer alteração e guarda no histórico. Ou seja, cliente Scoreplan consegue ter tudo rastreado.


6 – Automatização, ganho de tempo e assertividade


Além de poder restringir acessos e rastrear alterações., na Scoreplan você garante exatidão nos dados dos seus indicadores, bem como suas atualizações automáticas.


Com a integração com o seu sistema de ERP, a Scoreplan assegura que os seus indicadores estejam sempre atualizados e busquem as informações direto do outro sistema (ERP). Com isso, nosso software de gestão evita erros de digitação e a análise incorreta das métricas. 


7 – Gestão de Riscos


Como diz a frase feita “A única certeza da vida é a incerteza”. Assim, todas as empresas, e seus processos/projetos, estão expostos a riscos. Situação essa que ganha força em caso de falta de conhecimento dos gestores, levando à deficiência de uma gestão de riscos eficaz. 


Nessa perspectiva, uma companhia sem uma política pronta para lidar com o incerto do mercado, abre espaço para acontecimentos que impactam negativamente a estrutura empresarial. 


Por essa ser uma ameaça latente nos setores, a Scoreplan foca esforços nessa etapa. Uma das nossas singularidades funcionais está na Matriz de Gestão de Riscos, que possibilita aos gestores evitar surpresas, fazer a contenção de riscos de forma ágil e realizar ajustes antes de se tornarem ameaças. 


8 – Acesso 100% web


Várias planilhas, cópias das cópias das planilhas e arquivos estáticos desatualizados. Uma informação em cada plataforma; dados operacionais no ERP, informações estratégicas no BI, planos de ação em planilhas, informações importantes em papeis e e-mails. Se identifica?

Infelizmente, esse ainda é o cenário interno da maioria das empresas, nos mais diferentes setores. Assim, ao necessitar de informações, os gestores não conseguem acessar os dados em tempo hábil para gerenciar projetos com agilidade. 


Com o objetivo de dar fim nesse contexto, a Scoreplan é um sistema 100% online e integrado. Com ela, você faz a gestão dos seus planos de ação e projetos, acompanha indicadores, administra riscos inerentes ao seu negócio e ainda tem tudo isso vinculado a uma estratégia maior, a do Planejamento Estratégico. E a melhor parte, você pode fazer tudo isso de qualquer lugar, a qualquer hora e em qualquer dispositivo.


09 – User Experience (UX)


A Scoreplan se baseia tem suas bases  conceito de gestão à vista; faróis, pipelines e cores. Isso é usado para que o usuário não precise ir a fundo na informação para compreendê-la. Por exemplo, para saber em quais indicadores as metas não foram atingidas, basta acessar o painel e ver qual valor está marcado em vermelho.


As cores e faróis instigam o usuário a melhorar a sua performance e intensificar o uso da plataforma, instintivamente ver números e barras subindo ativa o nosso lado competitivo. Além disso, como toda a plataforma é embasada em metodologias globalmente difundidas, ela funciona como um “guia ambulante” mostrando qual é o próximo passo que o usuário precisa dar. Ou seja, é totalmente intuitiva.


10 – Gestão Orçamentária Financeiro


A capacidade de fazer uma gestão orçamentária de sucesso tem relação direta com a continuidade e o sucesso de uma empresa. Assim, a falta de controle, análise e planejamento acerca das receitas, gastos e custos envolvidos é motivo de prejuízos e, em alguns casos, até de encerramento de atividades.


Pode parecer um exagero, mas pensemos nos momentos de crise; sobrevivem as empresas que melhor se adaptam e conseguem gerir de forma inteligente seus recursos – por meio de ações certeiras, proatividade e gerenciamento financeiro.


Dessa forma, com a solução de gestão orçamentária da Scoreplan, você consegue criar orçamentos empresariais com diferentes planos orçamentários (Budget); acompanhar o Previsto x Realizado e criar diferentes modelos de demonstrativos para verificar os resultados obtidos (DRE).


Também, é possível responder às mudanças de forma ágil, monitorar e replanejar o negócio com base em um cenário atualizado e real (Forecast); simular cenários e garantir que as estratégias sejam pensadas com contexto de futuro.


11 – Inteligência Artificial (IA)


Acompanhe a tendência e revolucione sua empresa com a inteligência artificial integrada à plataforma Scoreplan. Desenvolvida para descomplicar a gestão dos negócios, a Sage IA é a sua solução para uma tomada de decisões ágil, performance aprimorada e redução de custos e tempo nos processos.


Com a Sage IA, você tem mais um cérebro pensando soluções junto com você. A partir de análises do seu histórico e dos seus objetivos, a inteligência artificial da Scoreplan cria sugestões para você melhorar os seus indicadores. Incorporado nos módulos de Mapa de BSC e na Gestão de Indicadores, o robô é programado para te orientar com estratégias certeiras para o alcance dos planos da sua organização.


Caso queira saber mais sobre a Scoreplan, faça o download do nosso folder ou entre em contato conosco pelo WhastApp.

Resumindo


É do Nível Estratégico que saem as metas estratégicas para o Negócio que é onde fica a Alta Administração (Presidência e/ou a Direção) da Organização; e no Nível Tático são realizados os desdobramento dessas metas, onde neste nível estão a Gerência, Coordenação ou Supervisão da empresa que tem como responsabilidade traduzir as metas em ações para o Nível Operacional que estão os cargos operacionais, onde estes atuarão em suas rotinas diárias conforme planejado para o alcance dos objetivos organizacionais.



 

Sugestão de Livros:






Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page