top of page

Diagrama de Ishikawa: Um Guia para a Análise de Causa e Efeito

O Diagrama de Ishikawa, também conhecido como Diagrama de Espinha de Peixe ou Diagrama de Causa e Efeito, é uma ferramenta de qualidade desenvolvida pelo professor Kaoru Ishikawa na década de 1960. Esta metodologia é amplamente utilizada para identificar, organizar e representar visualmente as possíveis causas de um problema específico, ajudando equipes a chegarem à raiz das questões e a implementarem soluções eficazes.



O Que é o Diagrama de Ishikawa?


O Diagrama de Ishikawa é uma representação gráfica que ilustra a relação entre um efeito (geralmente um problema) e suas possíveis causas. O formato do diagrama lembra a espinha de um peixe, onde a cabeça representa o problema e as espinhas principais e secundárias representam categorias de causas e subcausas.


1. Estrutura do Diagrama de Ishikawa


A estrutura básica do Diagrama de Ishikawa é composta por:


  1. Cabeça: Representa o problema ou efeito que está sendo analisado.

  2. Espinha Dorsal: Uma linha horizontal que vai da cabeça até o lado esquerdo do diagrama.

  3. Espinhas Principais: Linhas diagonais conectadas à espinha dorsal, representando as categorias principais de causas. As categorias comuns incluem Método, Máquina, Material, Mão-de-obra, Meio Ambiente e Medição.

  4. Espinhas Secundárias: Linhas menores que se ramificam das espinhas principais, representando causas específicas dentro de cada categoria principal.


2. Como Construir um Diagrama de Ishikawa


A criação de um Diagrama de Ishikawa pode ser realizada através dos seguintes passos:


  1. Defina o Problema: Escreva uma descrição clara e concisa do problema na "cabeça" do diagrama.

  2. Identifique as Categorias Principais de Causas: Liste as categorias principais que podem estar contribuindo para o problema. Estas podem variar dependendo do contexto, mas as categorias tradicionais são os "6M": Método, Máquina, Material, Mão-de-obra, Meio Ambiente e Medição.

  3. Identifique as Causas Secundárias: Para cada categoria principal, identifique as causas secundárias que poderiam estar contribuindo para o problema. Continue detalhando até onde for necessário.

  4. Organize e Analise: Organize todas as causas identificadas no diagrama e analise para identificar quais são as mais prováveis e relevantes.


Os 6M e Exemplo Prático


Vamos supor que uma empresa de manufatura esteja enfrentando problemas com alta taxa de defeitos em seus produtos. O Diagrama de Ishikawa poderia ser construído da seguinte forma:


1. Cabeça (Problema):


A "cabeça" do Diagrama de Ishikawa é a parte do diagrama onde se descreve o problema ou o efeito que está sendo analisado. Ela representa o ponto focal do diagrama, o que permite que todas as possíveis causas sejam relacionadas de maneira organizada e visualmente clara. A "cabeça" é essencialmente o motivo pelo qual o diagrama está sendo criado.


Importância da Cabeça no Diagrama de Ishikawa


  • Foco Claro e Específico: A definição clara do problema na "cabeça" do diagrama garante que todos os esforços de análise e brainstorming sejam direcionados de forma precisa. Um problema bem definido ajuda a evitar desvios e mantém a equipe focada na questão central.

  • Ponto de Partida para a Análise: A "cabeça" serve como o ponto de partida para a identificação das causas. A partir dela, as principais categorias de causas e suas respectivas subcausas são identificadas e organizadas, criando uma estrutura lógica para a análise.

  • Base para a Solução de Problemas: Um problema bem definido na "cabeça" facilita a identificação de soluções eficazes. Quando as causas são bem entendidas, as soluções podem ser mais direcionadas e eficazes, abordando diretamente os fatores que contribuem para o problema.


Para definir a "cabeça" de um Diagrama de Ishikawa de maneira eficaz, siga estas diretrizes:


  • Seja Específico: Evite descrições vagas ou genéricas. Por exemplo, ao invés de "Baixa Qualidade", use "Alta Taxa de Defeitos no Produto X".

  • Use Dados e Fatos: Baseie a definição do problema em dados concretos. Por exemplo, "Aumento de 20% nos defeitos dos produtos no último trimestre".

  • Defina o Escopo: Determine o escopo do problema para evitar que a análise se torne muito ampla. Por exemplo, "Problemas de qualidade no turno da noite".


Suponha que uma empresa de manufatura esteja enfrentando atrasos na entrega de seus produtos. A definição da "cabeça" poderia ser feita da seguinte forma:


  • Cabeça (Problema):  Ao definir a "cabeça" dessa forma, a equipe pode então proceder a identificar as principais categorias de causas, como os 6M: Método, Máquina, Material, Mão-de-obra, Meio Ambiente e Medição; e detalhar as causas específicas dentro de cada categoria que podem estar contribuindo para os atrasos na entrega. Exemplo: Alta taxa de defeitos.


2. Espinha de Peixe (6M)


Após definir o Problema (Cabeça do peixe) conforme explicado no item anterior, você pode começar a descrever as causas e efeitos na espinha de peixe.

A seguir, iremos explicar sobre cada "M" com um exemplo prático:


Máquina:


Muitos problemas são derivados das falhas das máquinas e equipamentos. Isto pode ser causado pela falta de manutenção ou pela sua realização incorreta. Com isso, é importante analisar o funcionamento dos equipamentos para que prejuízos sejam evitados e a produção seja mantida nos níveis previstos. Exemplo: Manutenção inadequada, equipamentos obsoletos.

Para monitoramento de máquinas e suas manutenções, sugerimos os softwares da Fracttal ou da Tractian, empresas líderes de mercado e parceiros da Rheis Consulting.

Material:


Está relacionado ao uso da matéria prima no processo, de forma a analisar situações nas quais existem materiais fora das especificações ou em quantidade incorreta. Exemplo: Matéria-prima de baixa qualidade, fornecedores não confiáveis.


Mão de obra:


A mão-de-obra está relacionada com as atitudes dos colaboradores na execução das atividades, algo muito importante de ser levado em conta ao criar um Diagrama de Ishikawa. Isso porque muitos problemas podem ser originados devido a pressa na execução das tarefas, imprudência, falta de qualificação ou, até mesmo, ausência de competência. Exemplo: Treinamento insuficiente, falta de habilidades.



Meio Ambiente:


É formado pelos problemas que estão relacionados aos ambientes internos e externos da organização. Quando se fala de externo, é possível citar como fatores que possuem influência a poluição e a instabilidade do tempo, por exemplo. E no ambiente interno, pode-se apontar a falta de espaço, layout incorreto, barulho, entre outros. Exemplo: Condições de trabalho desfavoráveis, temperatura inadequada.


Medição:


Já este "M" está relacionado com as métricas utilizadas para medir, controlar e monitorar os processos. Mas como assim? Você pode estar usando uma forma de medir o seu processo de forma incorreta e gerando retrabalho, por exemplo, o que pode ser a grande causa do problema! Exemplo: Ferramentas de medição imprecisas, calibração inadequada.


Método:


É a parte do Diagrama de Ishikawa que se refere aos procedimentos e métodos adotados pela organização durante as atividades, o que pode incluir softwares e ferramentas de planejamento. Exemplo: Procedimentos inadequados, falta de padronização.


Vantagens e Limitações do Diagrama


Vantagens


  • Clareza Visual: Proporciona uma representação visual clara das relações de causa e efeito.

  • Organização: Ajuda a organizar e categorizar as possíveis causas de um problema.

  • Facilidade de Uso: É uma ferramenta simples de entender e aplicar.


Limitações


  • Superficialidade: Pode não aprofundar o suficiente em problemas muito complexos, para isso, utilize outras ferramentas e técnicas.

  • Tempo e Recursos: Requer tempo e colaboração de várias partes interessadas para ser eficaz.


Existe algum sistema ou ferramenta para criar o Diagrama?


A resposta é sim. Abaixo falaremos resumidamente sobre algumas sugestões de ferramentas para criar mais rápido seu Diagrama e inserção de dados. Claro que estes sistemas não fazem somente isso, por isso iremos disponibilizar os links dos sites para você saber mais:


1. Lucidchart


O Lucidchart é uma ferramenta de diagramação online que oferece uma abordagem intuitiva e colaborativa para a criação de uma variedade de diagramas. Essa plataforma versátil é amplamente adotada por profissionais de diversas áreas devido à sua facilidade de uso e recursos robustos.


Ao utilizar o Lucidchart para criar diagramas de Ishikawa, os usuários se beneficiam de uma interface intuitiva e de uma extensa biblioteca de formas e elementos gráficos. A plataforma disponibiliza uma variedade de símbolos específicos para representar as categorias típicas de um diagrama de Ishikawa, como Pessoas, Processos, Equipamentos, Materiais, Ambiente e Métodos.



2. Miro


A ferramenta para criar diagramas de Ishikawa online da Miro permite que você se aprofunde em um problema, te ajudando a descobrir rapidamente as causas raiz do problema que está tentando resolver. Colabore com sua equipe nesta jornada e obtenha o máximo do seu diagrama de espinha de peixe, antecipando as consequências com uma análise eficaz. Modelos editáveis prontos para uso.


Acesse o site da Miro e saiba mais sobre a ferramenta.

3. Creately


Já o Creately é uma ferramenta de diagramação online que se destaca pela sua simplicidade e funcionalidade. Ao abordar a criação de diagramas de Ishikawa com o Creately, os usuários têm à disposição uma interface amigável e recursos que facilitam a representação visual de causas e efeitos.


Ao criar um diagrama de Ishikawa no Creately, os usuários podem aproveitar a facilidade de arrastar e soltar elementos gráficos específicos para cada categoria de causa, como Pessoas, Processos, Equipamentos, Materiais, Ambiente e Métodos. A plataforma oferece uma biblioteca diversificada de formas, linhas e ícones que podem ser usados para representar visualmente as relações de causa e efeito.


Para saber mais, acesse o site da Creately.

4. Microsoft Visio


Criar o Diagrama no Microsoft Visio facilita o processo devido às ferramentas de desenho e formatação disponíveis. No Visio, você pode começar desenhando a espinha central que representa o problema e, em seguida, adicionar as espinhas principais que categorizam as possíveis causas. Cada espinha principal pode ser subdividida em causas menores, detalhando ainda mais os fatores que contribuem para o problema.


Além de ser intuitivo, o Microsoft Visio oferece uma interface amigável para ajustar e personalizar o diagrama, garantindo que ele fique claro e compreensível. A funcionalidade de adicionar texto e ajustar o layout permite que o diagrama seja adaptado conforme necessário, facilitando a visualização e análise das causas do problema. Após a criação, o diagrama pode ser salvo em vários formatos, como Visio ou PDF, para fácil compartilhamento e revisão.


Adquira agora o Visio no site oficial da Microsoft.

Conclusão


O Diagrama de Ishikawa é uma ferramenta poderosa para a análise de problemas e melhoria da qualidade. Sua capacidade de organizar e visualizar causas potenciais torna-o valioso para equipes que buscam identificar a raiz de problemas e implementar soluções eficazes. Embora tenha suas limitações, quando usado corretamente, o Diagrama de Ishikawa pode contribuir significativamente para a resolução de problemas e a melhoria contínua em diversas empresas ou indústrias.


Em resumo, o Diagrama de Ishikawa pode ser utilizado em qualquer área da empresa e não apenas ajuda a resolver problemas específicos, mas também promove uma cultura de análise e melhoria contínua, essencial para o sucesso organizacional a longo prazo.



Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page