top of page

Pirâmide de Aprendizagem na Educação Corporativa

Pirâmide de aprendizagem, ou pirâmide de William Glasser (também chamada de pirâmide de aprendizagem de William Glasser), é um conceito criado pelo psiquiatra americano que dá nome à teoria, na qual afirma que o professor, em uma relação de ensino, é um guia e não chefe para os seus alunos.

Segundo William Glasser e sua teoria da pirâmide de aprendizagem, em um ambiente de ensino não deve ser focada apenas a capacidade de memorização, porque depois da aula os conceitos muitas vezes passam despercebidos.

A Pirâmide de Aprendizagem apresenta de forma visual as porcentagens de retenção de conhecimento. Segundo a teoria nós aprendemos da seguinte forma:

  • 10% do conteúdo é aprendido quando lemos;

  • 20% do conteúdo é assimilado quando escutamos;

  • 30% é aprendido quando assistimos/observamos algo;

  • 50% é assimilado quando combinamos escuta e observação;

  • 70% é aprendido quando discutimos, conversamos, perguntamos e debatemos o tema;

  • 95% do conhecimento é aprendido quando temos que ensinar alguém, explicando, resumindo, definindo, estruturando o conhecimento e PRATICANDO.


1. Ler

Glasser acredita que, quando você tem contato com algum tema pela primeira vez durante a leitura, seu cérebro é capaz de reter apenas 10% daquele assunto. Por isso, geralmente a tendência é que acabemos lendo e revisando trechos que julgamos mais importantes para auxiliar na retenção do conteúdo.

2. Ouvir

Quando apenas ouvimos o conteúdo, o cérebro atua assimilando apenas 20% do que foi explanado. Isso ocorre porque, muitas vezes, você acaba fazendo outras coisas enquanto absorve o som do ambiente.

3. Ver

Se ao estudar determinado conteúdo você dispuser de imagens que associem o conteúdo, conseguirá, de acordo com a pirâmide de aprendizagem, guardar em torno de 30% do que foi repassado.

4. Ver e ouvir

No caso de ver e ouvir, o conteúdo consegue ser fixado em até 50%. Às vezes o aluno lê e não consegue assimilar tão bem, mas após assistir uma aula, já com a bagagem literária, é capaz de assimilar tudo com maior facilidade.

5. Debater

Ao debatermos o conteúdo com outra pessoa ou com um grupo de pessoas, conseguimos reter até 70% do aprendizado. Esse debate pode acontecer presencialmente ou, em caso de estudos EAD, através de fóruns e chats, proporcionando um ciclo de análises críticas acerca dos temas abordados.

6. Ensinar e Praticar

Quando você ensina e pratica, a capacidade de assimilação do conteúdo, segundo a teoria de Glasser, é de 95%. Você pode dar uma aula a si mesmo, pode gravar um vídeo repassando o assunto, pode explicá-lo ao seu colega, tudo de modo a aumentar seu nível de compreensão a respeito daquele tema.

Essa técnica de repasse do conteúdo através do ensino realiza que, se você não se sente apto a repassar aquele assunto a alguém, você certamente não foi capaz de entendê-lo.

A prática é quando você consegue aplicar o conteúdo ensinado, seja resolvendo questões, seja praticando de fato no seu dia a dia, sendo assim capaz de analisar e aplicar de modo eficaz o que foi aprendido.

Leia também: Ferramenta 70/20/10.

O que é a pirâmide de aprendizagem?

O que é a pirâmide de William Glasser? A pirâmide de aprendizagem é um novo e mais eficaz método de aprendizado.

Pirâmide da Aprendizagem Glasser

O modelo tradicional de ensino, onde o professor se posiciona como responsável por assumir todas as propostas e exposições acerca de determinado tema e o aluno permanece sentado apenas na condição de ouvinte, passivamente, é cada vez mais contestado.


O método de ensino da pirâmide de Glasser traz metodologias alternativas a serem aplicadas, inserindo o aluno no processo de modo participativo, permitindo que assim atue de modo ativo no seu próprio sistema de ensino.

Com a utilização da pirâmide do aprendizado, o conteúdo é melhor assimilado de acordo com a forma através da qual o estudo é realizado. Se possibilita haver mais elementos interativos, mais eficiente será a assimilação.

Caso o estudo seja feito no ambiente domiciliar, é recomendável que se substitua a leitura às vezes monótona do conteúdo por algo que oferte amplitude de concentração e entendimento.

Pirâmide de aprendizagem na Educação Corporativa

Em se tratando de educação corporativa, a pirâmide da aprendizagem de William Glasser pode ofertar várias vantagens, como por exemplo:

1. Estímulo à autonomia

Um dos principais estímulos da pirâmide de aprendizagem reside no foco dado para a aprendizagem ativa, onde o estudante possui autonomia para interagir com o conteúdo escolhido para aquele aprendizado específico.

Então, quando o colaborador/estudante entende-se capaz de praticar e debater acerca do acúmulo de conhecimento absorvido, tudo acaba sendo internalizado de modo mais fácil e eficaz.

A independência durante o ensino/aprendizagem faz com o estudante/colaborador compreenda as questões apresentadas com mais rapidez, o que termina por melhorar a produtividade e os resultados dos possíveis projetos existentes na empresa que sejam voltados para a educação corporativa.

2. Informações facilmente compartilhadas

De acordo com a pirâmide, debater os conteúdos com outros estudantes ou colaboradores ajuda a fixar o aprendizado com mais facilidade.

No ambiente organizacional, essa ideia é vista positivamente, pois através da discussão e da disseminação dos conteúdos, os possíveis problemas acabam sendo solucionados.

Assim, atuando positivamente também ao analisarmos os valores empresariais, pois acaba sendo desenvolvido um local de trabalho mais claro e transparente.

3. Ambiente de trabalho mais unido

Os métodos de aprendizagem ativos possibilita diversos cenários nos quais o ensino/aprendizagem atua, sejam eles foçados em debates, práticas etc. Todas as variedades de aprendizado propostas pela pirâmide atuam na integração do ambiente de trabalho, tornando-o mais próximo e unido.

Assim, quando os colaboradores se reúnem para debater informações, ao mesmo tempo estão trocando conhecimentos/ensinamentos entre si, de modo muito prático e passível de validação, transformando aquele cenário em um ambiente integrativo e colaborativo.

4. Desenvolvimento de um ambiente de aprendizagem favorável

Por todo o exposto, é fácil concluir que a pirâmide de Glasser na educação corporativa é um meio de desenvolver ambientes de aprendizado bastantes favoráveis à troca de informações. Todos os métodos de aprendizagem podem ser facilmente redirecionados à organização, transformando as equipes em grupos habilitados e qualificados.

Ou seja, a pirâmide do aprendizado não diz respeito apenas aos métodos de ensino de instituições clássicas, mas podem ser adaptavas a todos aqueles ambientes onde o aprendizado seja demandado e necessário. Basta haver alguém dividindo conteúdos, trocando aprendizado e somatizando conhecimento para si e para o próximo.

 

Sugestão de Livros:




322 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page